Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Correios preparam serviço de entregas compartilhadas no estilo Uber

maisCotações e Índices

Moedas - 22/04/2019 16:50:59
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,934
  • 3,935
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,100
  • Turismo
  • 3,780
  • 4,090
  • Euro
  • 4,430
  • 4,431
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,873
  • 3,873
  • Libra
  • 5,105
  • 5,107
  • Ouro
  • 160,570
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 24/Abril/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Iniciativa deve trazer mais eficiência e redução de custos ao sistema da estatal
Uber, Rappi, iFood e, agora, até os Correios. A estatal brasileira também planeja entrar no negócio de entregas compartilhadas, que está em franco crescimento e com uma concorrência cada vez maior, com um serviço focado apenas em encomendas. De acordo com a Folha de S. Paulo, o projeto, ainda em elaboração e sob sigilo, colocaria a empresa nacional em uma parceria societária com o setor privado.

Os Correios esperam que várias etapas sejam eliminadas com o novo sistema. Diferentemente da postagem convencional feita nas agências, a entrega compartilhada é realizada por colaboradores habilitados e não está sujeita às complicadas logísticas internas, gerando uma redução de custos. A definição de um modelo concreto, porém, ainda depende da finalização de alguns estudos técnicos e de viabilidade econômica.

Segundo a publicação, a estatal avalia se a parceria será feita com uma iniciativa já atuante no mercado ou com uma outra empresa de tecnologia, para criar um serviço novo. Fontes relatam ao jornal que tudo caminha para a criação de um modelo híbrido, que carrega a simplificação da entrega compartilhada e se beneficiando com o uso da força de trabalho e da infraestrutura da estatal, sem contratação de terceiros.

Como os Correios enxergam o negócio?

A visão dentro da estatal é de que, se não firmarem o novo serviço, podem perder uma fatia importante do mercado. A necessidade de ampliar o leque de atividades da empresa passa também pelos números ruins registrados nos últimos anos.

Segundo a Folha, as entregas de cartas, telegramas e relacionados, das quais os Correios têm monopólio, caíram de 8,9 bilhões de unidades em 2012 para uma estimativa de 5,7 bilhões em 2018. Na postagem de encomendas, a estatal enfrenta a concorrência de gigantes do setor, como DHL e UPS.

A empresa passa por um processo de reestruturação, que inclui redução do número de agências físicas e enxugamento do quadro de empregados, hoje de cerca de 105 mil funcionários. Também está em estudo aliar o sistema a novas formas de coleta de encomendas, como a disposição de armários automatizados em shoppings e estações de trem e ônibus.

Fonte: Olhar Digital | 26/03/2019

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114