Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Reforma da Previdência é fundamental para retomada do crescimento, diz Ministério da Economia

maisCotações e Índices

Moedas - 22/05/2019 13:15:13
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,028
  • 4,028
  • Paralelo
  • 4,000
  • 4,210
  • Turismo
  • 3,870
  • 4,190
  • Euro
  • 4,493
  • 4,495
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 3,994
  • 3,993
  • Libra
  • 5,105
  • 5,107
  • Ouro
  • 166,040
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 22/Maio/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A aprovação da reforma da Previdência é fundamental para a retomada do crescimento não apenas de longo prazo, como também dos próximos anos, avaliou nesta quinta-feira (28) a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, por meio de nota.

A análise é de que, sem a reforma da Previdência Social, haverá um crescimento da dívida pública, o que afetará a taxa de juros, e, por consequência, o ritmo de crescimento do país.

"Para que o PIB per capita volte a crescer de maneira sustentável, é necessário que as reformas estruturais ocorram. A Nova Previdência é condição necessária para o equilíbrio fiscal de longo prazo da economia, melhorando o ambiente de investimento e evitando uma nova década perdida", informou o Ministério da Economia.

Um aspecto fundamental que aprofundou a crise brasileira na década de 2010 foi a crise fiscal, ou seja, das contas públicas. Em 2018, pelo quinto ano consecutivo, as contas do governo registraram déficit (despesas maiores do que receitas). O rombo foi de R$ 120 bilhões no ano passado.

De acordo com o governo, a deterioração dos indicadores fiscais deveu-se primordialmente ao crescente descontrole dos gastos públicos.

"A consequência foi o aumento da incerteza no ambiente macroeconômico, com impacto negativo nas decisões de produção e investimento no país. A crise fiscal, em combinação com a crise política a ela associada, estiveram na raiz da profunda recessão do período 2014-2016", acrescentou a área econômica.

Resutlado do PIB de 2018
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta quinta-feira (28) que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,1% em 2018, na segunda alta anual consecutiva após 2 anos de retração.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Em valores correntes, o PIB em 2018 totalizou R$ 6,8 trilhões. Já o valor per capita (por habitante) teve alta de 0,3% em termos reais, alcançando R$ 32.747 em 2018.

O desempenho da economia brasileira no ano foi decepcionante diante das expectativas iniciais, repetindo o avanço registrado em 2017, quando o PIB também avançou 1,1%.

Apesar da frustração, o resultado veio dentro do esperado por boa parte do mercado, que ao longo do ano foi revisando seguidamente para baixo as previsões para o PIB.

A piora nas expectativas do mercado veio na esteira da greve dos caminhoneiros, de incertezas políticas e eleitorais, e da piora do cenário internacional.

A última previsão dos analistas financeiros, em pesquisa feita pelo Banco Central na semana passada, foi de um crescimento de 1,21% em 2018.

Fonte: G1 Globo | 28/02/2019

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114