Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

O que comprar agora no Tesouro Direto?

maisCotações e Índices

Moedas - 20/03/2019 16:08:08
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,741
  • 3,742
  • Paralelo
  • 3,760
  • 3,960
  • Turismo
  • 3,590
  • 3,890
  • Euro
  • 4,282
  • 4,283
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,781
  • 3,780
  • Libra
  • 4,957
  • 4,960
  • Ouro
  • 159,690
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 25/Março/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • DCTF - Inativa | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • COFINS
  • PIS/Pasep
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Com um cenário macroeconômico ainda desafiador com relação ao quadro fiscal, apesar das expectativas mais otimistas, a equipe de análise do Bradesco BBI prefere indicar uma exposição ao Tesouro Direto que proteja o investidor no curto prazo, mostra um relatório enviado a clientes.

“A volatilidade dos títulos públicos neste ano está atrelada essencialmente ao cenário fiscal (reforma da Previdência), principalmente com relação aos títulos prefixados”, argumenta o documento.

Além disso, no exterior, a possível desaceleração da economia global, bem como a expectativa com relação a tendência dos juros dos EUA continuam sendo os principais fatores impactando os vencimentos mais longos.

“Neste contexto, para o portfólio deste mês (próximos 30 dias), dada a esperada maior volatilidade ao longo do ano, continuamos mantendo uma carteira mais conservadora”, indica.

O Bradesco sugere a exposição de 75% da carteira em títulos indexados à inflação com vencimento em 2024. É o mais curto disponível para compra.

A ideia é dar proteção na inflação no médio prazo, além de obter um juro real atrativo.

O restante (25%) pode ser aplicado em Tesouro Selic.

“Reiteramos que a nossa sugestão é manter o título até o vencimento, sendo que se não for essa a estratégia de investimento, a alocação somente em Tesouro Selic deve ser analisada”, conclui.

Fonte: moneytimes | 20/02/2019

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114