Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Reforma da Previdência pode render economia de até R$ 1,3 trilhão em 10 anos, diz Guedes

maisCotações e Índices

Moedas - 21/02/2019 16:03:30
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,752
  • 3,753
  • Paralelo
  • 3,740
  • 3,930
  • Turismo
  • 3,600
  • 3,900
  • Euro
  • 4,251
  • 4,252
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,746
  • 3,745
  • Libra
  • 4,890
  • 4,893
  • Ouro
  • 159,370
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 25/Fevereiro/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • COFINS.
  • PIS/Pasep. 
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados. 
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Estimativa é maior que a do projeto apresentado pelo governo Temer; sobre o IR cobrado das empresas, Guedes disse que o governo analisa reduzir alíquota de 34% para 15%.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira (23), em Davos, que a proposta de reforma da Previdência que está sendo estruturada pelo governo pode render uma economia de R$ 700 bilhões a R$ 1,3 trilhão em dez anos.

A declaração foi feita em entrevista à agência de notícias Reuters durante o Fórum Econômico Mundial.

Se os números se confirmarem, a proposta de reforma do governo de Jair Bolsonaro pode chegar a dois terços a mais do que o esforço da gestão de Michel Temer, que não conseguiu avançar com o projeto no Congresso. A proposta original de Temer previa economia de R$ 800 bilhões em 10 anos. Após sofrer alterações no Congresso, a medida passou a ter economia estimada em R$ 480 bilhões.

"É uma reforma significativa e nos dará um importante ajuste estrutural fiscal", disse Guedes, apontando que os números ainda estão sendo estudados. "Isso terá um poderoso efeito fiscal e vai resolver por 15, 20, 30 anos", disse ele, que acrescentou: "É isso ou seguimos (o caminho da) Grécia".

Mais cedo, Guedes já havia defendido a reforma da Previdência em entrevista à Bloomberg TV. Na terça-feira (22), também falou sobre o assunto em almoço fechado organizado pelo Itaú Unibanco, no qual repetiu que, se não for aprovada, tem um plano B.

O ministro daria entrevista coletiva nesta quarta, e a expectativa era que ele detalhasse a proposta do governo para a reforma da Previdência. No entanto, Guedes cancelou as manifestações à imprensa que faria ao lado de Bolsonaro e os outros ministros que integram comitiva brasileira no Fórum - Sérgio Moro (Justiça) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Mesmo com o cancelamento, as últimas declarações de Guedes sobre a reforma da Previdência têm sido bem recebidas por investidores nos mercados financeiros brasileiros. Nesta quarta, o Ibovespa subiu e voltou a atingir pontuação recorde de fechamento, e o dólar interrompeu uma sequência de 6 altas sobre o real.

O presidente Jair Bolsonaro também comentou a reforma da Previdência nesta quarta em Davos. Em entrevista concedida para a agência de notícias Bloomberg, ele afirmou que a alteração na legislação previdenciária dos militares vai ser feita apenas "em uma segunda parte da reforma".

Impostos e estatais
Ainda na entrevista à Reuters, Guedes comentou o Imposto de Renda cobrado das empresas. O ministro afirmou que governo analisa reduzir a alíquota de 34% para 15%. Esse corte "brutal" seria compensado pela taxação de dividendos, hoje isentos, pontuou Guedes. Segundo ele, essa mudança aumentará a competitividade.

Dividendos, juros sobre capital próprio: entenda os termos usados por Guedes em Davos
Segundo a agência, Guedes disse ainda que o governo pretende reduzir a carga tributária do Brasil para 30% do Produto Interno Bruto (PIB), de 36% atualmente.

O ministro sinalizou também que o governo considera extinguir 50 estatais num prazo de 3 a 5 meses. À Bloomberg TV, Guedes havia dito que o governo espera levantar US$ 20 bilhões (cerca de R$ 75 bilhões) em privatizações neste ano.

fonte: https://g1.globo.com | 24/01/2019

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114