Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

FMI prevê PIB menor do Brasil em 2018, mas melhora projeção para 2019

maisCotações e Índices

Moedas - 26/06/2019 12:56:36
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,841
  • 3,843
  • Paralelo
  • 3,810
  • 4,010
  • Turismo
  • 3,690
  • 4,000
  • Euro
  • 4,375
  • 4,377
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,937
  • 3,937
  • Libra
  • 4,877
  • 4,879
  • Ouro
  • 175,350
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 28/Junho/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • IRPF - Imposto de Renda sobre a Pessoa Física
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu sua estimativa de crescimento do Brasil em 2018, mas melhorou a estimativa para este ano. A informação foi divulgada no relatório Perspectiva Econômica Mundial, apresentada nesta segunda-feira (21) durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

Para 2018, o fundo passou a prever uma expansão de 1,3% no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil – contra 1,4% projetados em outubro do ano passado. É a terceira vez seguida que o FMI piora a estimativa para a economia brasileira em 2018. O resultado oficial será conhecido no dia 28 de fevereiro, quando será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE).

Já para 2019, o Fundo melhorou a projeção de crescimento para 2,5%, citando que "a recuperação gradual da economia deve continuar". Em outubro, a entidade previa uma alta um pouco menor para este ano, de 2,4%. Para 2020, o relatório prevê um avanço de 2,2% do PIB brasileiro.

Revisões na América Latina
A perspectiva mais positiva para o Brasil ajudou a compensar, em parte, uma piora nas projeções para as economias da América Latina. O FMI estima um avanço 0,2 ponto percentual menor na região, tanto em 2019 e 2020.

Em 2019, os países latinos devem crescer 2,0%, enquanto em 2019, 2,5%, segundo o FMI. O Fundo vê o Brasil como a força positiva, em contraposição ao México, Argentina e Venezuela.

"Estas revisões se devem a um corte das perspectivas de crescimento do México em 2019 e 2020, refletindo menos investimentos provados, e uma contração ainda mais severa na Venezuela", diz o FMI.

Desaceleração da economia global
Para a economia mundial, o FMI manteve a previsão de expansão de 3,7% em 2018, "apesar do desempenho mais fraco em algumas economias", notadamente na Europa e na Ásia.

Contudo, para 2019 e 2020, o Fundo prevê uma desaceleração do PIB global. O relatório piorou as projeções em relação a outubro, para 3,5% e 3,6%, respectivamente.

Segundo o FMI, essa piora reflete um crescimento mais fraco das economias mais ricas, mas também uma menor expansão em mercados emergentes e economias em desenvolvimento em 2019, refletindo contrações na Argentina e na Turquia.

O aumento de tarifas entre Estados Unidos e China no ano passado contribuiu para a desaceleração, segundo o relatório. Também pesaram as novas normas de emissão de combustíveis na Alemanha e as preocupações sobre os riscos financeiros na Itália, além da contração da Turquia, que deve ser mais profunda que o previsto.

"A principal prioridade política é que os países resolvam cooperativamente e rapidamente desacordos e a consequente incerteza política, em vez de aumentar ainda mais as barreiras, desestabilizando uma economia global já em desaceleração", sugere o relatório.

Fonte: G1 Globo | 21/01/2019

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114