Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

CEO do Google confirma versão censurada do buscador para a China

maisCotações e Índices

Moedas - 22/02/2019 16:21:13
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,738
  • 3,740
  • Paralelo
  • 3,710
  • 3,900
  • Turismo
  • 3,710
  • 3,940
  • Euro
  • 4,239
  • 4,242
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,738
  • 3,737
  • Libra
  • 4,879
  • 4,883
  • Ouro
  • 158,780
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 25/Fevereiro/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • COFINS.
  • PIS/Pasep. 
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados. 
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Sundar Pichai, CEO do Google, admitiu que a empresa está desenvolvendo uma versão censurada do buscador para atuar na China. Em um evento em San Francisco, nos Estados Unidos, o chefão do Google falou pela primeira vez publicamente sobre o Project Dragonfly, que está sendo desenvolvido para marcar o retorno da companhia ao país asiático.

A existência da versão censurada do Google para a China foi revelada em agosto pelo site The Intercept. Após a divulgação para o público, o projeto passou a ser alvo de críticas. Funcionários do Google pediram demissão por não concordarem com a ideia de apoiar um governo que promove censura, e o Senado norte-americano exigiu explicações da empresa sobre o caso.

Pichai disse que ainda não está definido se a versão censurada do Google vai de fato ser lançada. O CEO também defendeu o investimento no país asiático, dizendo que a China é hoje um dos países mais inovadores do mundo, além de ser um dos mais importantes, até pela população imensa que está conectada à internet. Ele também disse que os projetos do Google para a China são de longo prazo - o que indica que a participação no país não deve se resumir ao Android e ao buscador.

Apesar da censura imposta pelo governo chinês à população local, Pichai disse que o buscador não deve ser muito afetado por conteúdo proibido, e que 99% das pesquisas devem oferecer uma resposta aos usuários. Ele também defende que o Google pode ser importante para o público chinês, distribuindo informações em áreas que não estão disponíveis no país.

O Google já atuou na China, mas removeu o buscador do país em 2010. Na época, a empresa alegou que as restrições à liberdade de expressão impostas pelo governo local, que bloqueia serviços da empresa como o YouTube, motivou a saída do mercado chinês. Anos depois, parece que as coisas mudaram, e o Google não vê mais a censura chinesa como uma ameaça a seus negócios.

Fonte: Olhar Digital | 16/10/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114