Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Por que abrir o código-fonte das urnas eletrônicas é tão importante

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Na semana passada, pela primeira vez, o TSE afirmou que vai, de fato, abrir o código-fonte das urnas eletrônicas usadas nas eleições do Brasil. Não foi dado um prazo para que a abertura aconteça – o porta-voz do Tribunal deixou um “em breve” no ar, e uma reportagem da Folha menciona uma data entre 2020 e 2022 – mas a notícia não deixa de ser boa. Disponibilizar o código por trás dos equipamentos será um movimento importante por parte do poder público. Mas por que, afinal?

Antes de tudo, temos que levar em conta o cenário atual. Não é de hoje que a confiabilidade das urnas eletrônicas é questionada. As críticas existem desde que elas começaram a ser usadas nas eleições brasileiras, em 2002. Mas se inicialmente elas eram motivadas pelo simples medo da mudança, de 2009 para cá as dúvidas ganharam até certo embasamento graças a alguns problemas encontrados nos testes públicos de segurança.

Entre captação de sinais eletromagnéticos, armazenamento inseguro de chaves criptográficas e quebra de sigilo com base em informações públicas, diversas falhas foram encontradas no software dos equipamentos nessas avaliações – todas corrigidas, vale dizer.

Esses testes só acontecem periodicamente, em um curto intervalo de tempo, e envolvendo alguns poucos especialistas. Ou seja, a transparência não era o forte do processo. Além disso, todos eles ainda precisam atuar em um ambiente bem controlado, que não é o ideal, como já reforçou algumas vezes o doutor Diego Aranha, hoje professor assistente na Universidade de Aarhus (Dinamarca) e participante recorrente das avaliações.

Abrir o código-fonte da urna eletrônica deverá ampliar bastante esses horizontes, deixando mais olhos inspecionarem o software em busca de falhas – e criando-se até a possibilidade de realização de uma ou várias auditorias independentes. São pontos que o próprio Aranha, em uma apresentação na semana passada durante o evento Mind The Sec, defendeu como necessários para garantir a confiabilidade dos equipamentos. Para ele, publicar o código é importante “até por uma questão de transparência, já que é algo feito com recursos públicos”.

Claro, publicar o código não resolverá todos os problemas. Como o próprio especialista disse, fazer isso é importante porque ajudará a pressionar os desenvolvedores a corrigir eventuais brechas encontradas. Mas garantir que o software auditado pelos eleitores seja o mesmo usado nas urnas também será essencial – e isso é algo que o processo de lacração feito hoje já resolve, embora todos os partidos o tenham ignorado neste ano.

Em resumo: transparência é a chave para evitar que as eleições brasileiras sejam alvos de fake news que só atrapalham - e colocam em risco - o processo democrático no país. 

Fonte: Olhar Digital | 28/09/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114