Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Google confirma que aplicativos espionam o conteúdo de e-mails do Gmail

maisCotações e Índices

Moedas - 10/12/2018 13:15:50
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,927
  • 3,928
  • Paralelo
  • 3,900
  • 4,090
  • Turismo
  • 3,770
  • 4,090
  • Euro
  • 4,477
  • 4,480
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,971
  • 3,971
  • Libra
  • 4,962
  • 4,965
  • Ouro
  • 154,130
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 10/Dezembro/2018
  • Comprovante de Juros sobre o Capital Próprio-PJ.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.
  • Envio da Guia da Previdência Social aos Sindicatos.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Uma carta pública enviada pela Google ao Senado dos Estados Unidos revelou uma realidade preocupante: a empresa ainda permite que desenvolvedores de aplicativos de fora da Google escaneiem e compartilhem o conteúdo de e-mails do Gmail.

Isso quer dizer que os 1,4 bilhão de pessoas que usam o Gmail podem estar tendo o conteúdo de seus e-mails visualizado e compartilhado por aplicações de terceiros (por exemplo, um aplicativo que arquiva automaticamente qualquer tipo de recibo recebido pelo e-mail) desde que, de acordo com a Google, o desenvolvedor insira nos termos e condições de uso do aplicativo que o aplicativo terá esse tipo de acesso e que o usuário concorde com isso.

A carta divulgada nesta quinta-feira (20) foi uma resposta enviada pela empresa a uma série de perguntas feitas pelo senador John Thune. Ainda que a Google não tenha tido nenhum tipo de escândalo como o do Facebook e a Cambridge Analytica, essa despreocupação para com a segurança dos usuários do Gmail é algo preocupante na visão de Thune.

Apesar das indagações do senador, a Google não respondeu a elas diretamente, dizendo apenas que, quando encontra algum tipo de atividade suspeita, rapidamente investiga o caso e, se necessário, suspende o aplicativo de suas plataformas e avisa os usuários dos riscos de utilizar tal aplicativo. Questionada quantos ou quais são os apps que possuem esse tipo de informação dos usuários, a empresa se esquivou e não respondeu.

A Google certamente terá de se explicar daqui a menos de uma semana, já que no dia 26 de setembro o Comitê de Comércio do Senado dos Estados Unidos tem uma audiência marcada com representantes da Google, Apple, AT&T e Twitter para debater sobre a privacidade das informações dos usuários.

Fonte: CanalTech | 21/09/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114