Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Novo cabo submarino liga Brasil à África e tem capacidade de 32 Tbps

maisCotações e Índices

Moedas - 18/04/2019 15:58:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,911
  • 3,911
  • Paralelo
  • 3,890
  • 4,110
  • Turismo
  • 3,760
  • 4,080
  • Euro
  • 4,392
  • 4,393
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,853
  • 3,852
  • Libra
  • 5,088
  • 5,091
  • Ouro
  • 160,500
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 20/Abril/2019
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Brasil passou a contar nesta semana com um novo cabo submarino, que liga Fortaleza, no Ceará, à cidade de Kribi, em Camarões. A estrutura de quase 6.000 quilômetros é formada por quatro pares de fibra óptica e tem capacidade de transferência de 32 Tbps. O cabo é o primeiro na história a conectar diretamente dois continentes no hemisfério sul.

O projeto foi preparado pelo consórcio South Atlantic Inter Link, o SAIL, formado pela Huawei Marine Network, que montou e posicionou o cabo, e pelas operadoras China Unicom e Camtel.

A estrutura ainda marca a chegada dessa China Unicom ao Brasil, como lembra reportagem do Telesíntese. A empresa chinesa pretende ligar 11 de seus cabos terrestres que atravessam o Oriente Médio à nova estrutura marítima.

A construção do cabo submarino SAIL começou ainda em 2016, e a ideia era conectar duas regiões emergentes, tanta econômica quanto tecnologicamente. Ele deve facilitar e agilizar a ligação e a troca de informações entre os países do BRICS, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, além de outros países das regiões da África e da Ásia.

Uma segunda estrutura, o South Atlantic Cable System (SACS) ainda deve reforçar essa ligação quando for finalizado, ligando Fortaleza a Sangano, em Angola. A expectativa é de que ele seja um pouco maior do que o SAIL e acabe de ser construído ainda neste ano.

O consórcio SAIL não divulgou quanto foi gasto na construção, mas o preço estimado inicial era de 130 milhões de dólares. O grupo estima que o cabo submarino deve durar pelos próximos 25 anos. Se quiser conferir, o site Submarine Cable Map já traz o mapa atualizado com o novo cabo em meio a todos os outros já existentes ao redor do mundo.

Fonte: OlharDigital | 10/09/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114