Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Google monitora usuários de celulares mesmo sem permissão

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Google está sendo acusado em um processo de monitorar ilegalmente os movimentos de milhões de usuários de celulares iPhone e Android mesmo quando eles ajustam as configurações de privacidade dos aparelhos para evitar que isso aconteça.

Segundo a ação encaminhada no final da sexta-feira, o Google falsamente assegura as pessoas que elas não serão rastreadas se desligarem o recurso "histórico de localização" dos celulares e, em vez disso, viola a privacidade ao monitorar e armazenar os movimentos dos usuários.

"A afirmação do Google de que o usuário pode desligar o histórico de localização a qualquer momento simplesmente não é verdade", afirma o processo encaminhado em um tribunal federal de São Francisco.

A ação foi aberta por Napoleon Patacsil, de San Diego, que busca status de processo coletivo em nome dos usuários do Android e de aparelhos da Apple nos Estados Unidos que desligaram o recurso de histórico de localização.

Ele está buscando reparação de danos não especificados por violação intencional das leis de privacidade do Estado norte-americano da Califórnia e intromissão nos assuntos pessoais dos usuários.

O suposto monitoramento do Google foi descrito em uma matéria da Associated Press publicada em 13 de agosto, que afirma que o assunto foi confirmado por pesquisadores de ciência da computação da Universidade de Princeton.

O Google não comentou o assunto nesta segunda-feira. Michael Sobol, advogado no escritório Lieff Cabraser Heimann & Bernstein, que representa Patacsil, não retornou pedidos de comentários.

Patacsil afirma que o Google ilegalmente monitorou seus passos por meio de seu celular Android e depois fez o mesmo no iPhone, depois que ele fez download de alguns aplicativos da empresa.

A seção de ajuda do site do Google agora afirma que desligar o histórico de localização "não afeta outros serviços de localização" em celulares e que alguns dados de localização podem ser armazenados por meio de outros serviços, como busca e mapas.

Fonte: r7 | 22/08/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114