Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Teto de gastos somente será sustentável com reforma da Previdência, diz Guardia

maisCotações e Índices

Moedas - 10/12/2018 16:02:03
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,926
  • 3,928
  • Paralelo
  • 3,900
  • 4,090
  • Turismo
  • 3,770
  • 4,080
  • Euro
  • 4,461
  • 4,463
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,966
  • 3,966
  • Libra
  • 4,929
  • 4,931
  • Ouro
  • 154,130
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, reafirmou que a regra constitucional que limita o crescimento das despesas públicas, medida criticada por diversos candidatos presidenciais, só terá sustentabilidade se o Congresso aprovar uma reforma da Previdência.

O cumprimento do teto de gastos exige a aprovação da reforma da Previdência, disse o ministro durante evento em São Paulo na noite de segunda-feira.

O teto de gasto limita por uma década, renovável por mais 10 anos, o crescimento das despesas públicas à inflação do ano anterior, medida feita pelo governo do presidente Michel Temer e aprovada pelo Congresso Nacional.

Segundo Guardia, a crítica ao teto de despesas públicas seria a única forma gradual de resolver a situação fiscal do país, que vem amargando sucessivos déficits.

Sem fazer referência a nenhum candidato, Guardia também teceu críticas à ideia de pagar a dívida pública com o dinheiro obtido pela privatização de todas as empresas estatais, como defendido pelo economista Paulo Guedes, da campanha do candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica não resolve o problema fiscal, afirmou ele. O problema se dá por um desequilíbrio de fluxo, de receitas e despesas corrente, então a privatização de qualquer empresa estatal não resolve esse problema , disse o ministro.

A menos de 50 dias do primeiro turno das eleições, o ministro defendeu ampla revisão dos benefícios fiscais, que consomem cerca de 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) e das despesas públicas.

Ele citou o orçamento de 6% do PIB para educação como exemplo de que o país destina recursos para as áreas necessárias, mas falta qualidade na forma de gastar o dinheiro público.

Fonte: g1.globo | 21/08/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114