Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Quatro em cada cinco cargos de liderança exigem habilidades em inovação e tecnologia, diz estudo

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Um estudo da consultoria nacional de recrutamento executivo Exec aponta que, na região de Campinas (SP), quatro em cada cinco cargos de liderança exigem habilidades voltadas para a "transformação digital". São pessoas que precisam saber desenvolver inovação e tecnologia.

"A gente considera que é uma mudança de estilo de pensamento, de gestão, de governança. Uma mentalidade muito voltada para inovação", explica Fabio Cassab, sócio da Exec.

O levantamento checou o nível de "consciência digital", isto é, se as empresas consideram que a tecnologia pode melhorar as relações humanas e ampliar a produtividade das empresas. Menos da metade, 48%, demonstrou ter esse tipo de consciência, enquanto 28% consideram que "transformação digital" consiste em investimentos em tecnologia.

A pesquisa mostrou, ainda, que 22% dos 512 profissioniais entrevistados não tinham ideia do que é a mudança e dos resultados dela.

"O profissional que não se atentar a essas habilidades terá muita dificuldade para chegar a cargos de liderança", explica Fabio Cassab, sócio da empresa.
Não é só tecnologia
O investimento em tecnologia representa um "braço" dessa mudança. Já a tecnologia em si, para Cassab, é apenas uma ferramenta.

"É uma questão muito mais cultural do que tecnológica. Mas a tecnologia não deixa de ser uma variável", diz Cassab.
O levantamento verificou, em um universo de 90 empresas da região, quais estão implementando projetos vinculados a este tipo de transformação. A pesquisa constatou que 65% das empresas investem em projetos nessa área, enquanto 22% discutem sobre a possibilidade. Para os 13% restantes, as mudanças estão longe de se tornarem realidade.

A transformação digital também é uma busca mundo afora. A Exec é membro da consultoria internacional Association of Executive Search and Leadership Consultants (Aexc), que entrevistou 850 líderes das maiores empresas do mundo - 65 brasileiros. A conclusão do estudo foi que a mudança de mentalidade está entre as três maiores preocupações destes profissionais.

Resultados práticos
Em relação aos ganhos trazidos por esse tipo de transformação, Cassab destaca eficiência e produtividade. Para explicar, ele usa como exemplo a evolução da comunicação entre as pessoas.

"Eu comecei a me comunicar com pessoas enviando cartas. Em um determinado momento, surgiu o e-mail. Em outro, o WhatsApp. Agora pense o seguinte: três empresas nasceram enviando cartas e hoje já poderiam usar o WhatsApp, mas uma ainda acredita que carta é o melhor modelo", explica Cassab.
Cofundador de uma consultoria de empreendedorismo e inovação em Campinas, Wagner Foschini Jr. disse ao G1 que, além do aumento de produtividade, essa transformação trouxe crescimento.

"A gente sempre foi uma empresa de serviço. Hoje em dia, a transformação digital possibilita que a gente consiga começar a pensar em novos negócios direto para produtos", diz.

Por meio desses produtos, que Foschini chama de "escaláveis" - que podem alcançar outros mercados -, o lucro da empresa aumenta. Segundo ele, enquanto a rentabilidade da parte de serviço da consultoria fica na ordem de 30%, a dos produtos ultrapassa 100%.

"A tecnologia possibilita que você crie produtos, serviços e negócios que agregam muito mais valor para o cliente e promove, do ponto de vista da empresa, um crescimento muito mais rápido e com muito mais rentabilidade", diz Foschini.

Habilidades comportamentais
De acordo com Cassab, as empresas dão cada vez mais importância para as habilidades comportamentais do profissional. Isso inclui inteligência emocional, resiliência e relacionamento interpessoal.

"Se você vai fazer um processo seletivo, independente da função, as empresas olham a capacidade que o profissional tem de trabalhar nesse ambiente de constante evolução", diz.

Além disso, o sócio ressalta a necessidade de o profissional estar sempre antenado com as novidades e tendências do seu ramo. E recomenda o desapego a antigas práticas.

"Quando você vai entrevistar um profissional e ele se apega a coisas que fazia no passado, isso é considerado limitado. É muito mais legal quando você vê pessoas que se conectam com aquilo que eles podem fazer no futuro, com a possibilidade de trazer benefícios e ganhos para a empresa olhando lá na frente", conta.

Fonte: G1 Globo | 03/07/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114