Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Correios suspendem entregas de Sedex devido a protesto de caminhoneiros

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Quem precisa enviar ou receber encomendas e mensagens do serviço mais rápido que os Correios oferecem atualmente, o Sedex (10, 12 e Hoje), terá que aguardar um pouco mais. De acordo com a estatal, a paralisação dos caminhoneiros deve atrasar todas as operações no Brasil inteiro.

“Tendo em vista comprometer a distribuição, também haverá o acréscimo de dias no prazo de entrega dos serviços Sedex e PAC [entrega não expressa], bem como das correspondências enquanto perdurarem os efeitos desta greve”, diz a empresa, segundo o G1.

A direção dos Correios afirma que possui mais de 25 mil veículos e 1,5 mil linhas terrestres, somadas a 11 linhas aéreas, que atendem toda a extensão do país, entregando mensalmente cerca de 500 mil objetos e 25 milhões de encomendas. “Os Correios estão acompanhando os índices operacionais de qualidade de toda essa cadeia logística e, tão logo a situação do tráfego nas rodovias retorne à normalidade, a empresa reforçará os processos operacionais para minimizar os impactos à população”, complementou, em comunicado.

O protesto dos condutores acontece pelo terceiro dia seguido, devido à alta nos preços dos combustíveis. A Petrobras já adiantou que não vai mudar a política de preços, mesmo com as reclamações. Para amenizar a situação, o governo espera aprovação de projeto da reoneração da folha de pagamentos para eliminar o Cide, tributo que incide em menos de R$ 0,05 por litro do diesel.

Fonte: Tecmundo | 23/05/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114