Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Justiça manda Correios limitarem reajuste de frete para grupo de lojas online

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Em fevereiro deste ano, os Correios anunciaram um reajuste no preço do frete, o que tornaria o transporte de compras feitas pela internet mais caro, em média, em 8%. Nesta semana, a Justiça obrigou a estatal a limitar os efeitos desse reajuste.

A decisão acata um pedido da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) e afeta somente as 7.000 empresas que ela representa - em sua maioria, lojas de comércio eletrônico. O reajuste do frete do Sedex e PAC agora não pode passar de 8% para essas empresas.

Os Correios ainda podem recorrer, mas, por enquanto, a Justiça determina multa de R$ 50 mil para cada dia em que a estatal não cumprir a decisão. Antes disso, os Correios previam um reajuste médio de 8%, mas que podia chegar a 51% em algumas situações.

A ABComm havia pedido também que a Justiça acabasse com a nova taxa de R$ 20 para pacotes que não sejam quadrados e com uma tarifa de R$ 3 para entregas em regiões de risco. Nenhuma das duas solicitações foi acatada nesta decisão.

No caso da taxa de R$ 20, o pedido foi indeferido. Já no caso da taxa de R$ 3 para áreas de risco, o pedido foi encaminhado à Justiça Federal do Rio de Janeiro, segundo a ABComm. Ou seja, ainda há chance de essa nova cobrança ser extinta.

À Folha de S.Paulo, os Correios disseram em nota que ainda não foram notificados da decisão judicial, mas que a estatal "tomará todas as medidas cabíveis assim que isso ocorrer". A empresa também diz que o reajuste de frete é comum e anual.

Esta não é a primeira vez que os Correios sofrem uma derrota judicial em sua tentativa de reajustar fretes. Em março, o Mercado Livre obteve uma liminar que impedia o aumento do frete para as suas entregas. Poucos dias depois, porém, os Correios conseguiram derrubar a mesma liminar.

Fonte: Olhar Digital | 26/04/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114