Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Brasil terá superávit primário apenas em 2022, projeta FMI

maisCotações e Índices

Moedas - 19/06/2019 13:15:13
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,874
  • 3,874
  • Paralelo
  • 3,850
  • 4,040
  • Turismo
  • 3,720
  • 4,030
  • Euro
  • 4,341
  • 4,343
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,889
  • 3,888
  • Libra
  • 4,890
  • 4,890
  • Ouro
  • 166,790
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 19/Junho/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte.
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras.
  • INSS | Previdência Social.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação - RET.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou a sua estimativa e passou a projetar que o Brasil só deve alcançar um superávit primário (economia que o governo precisa fazer para pagar os juros da dívida pública quando as receitas superam as despesas) em 2022, segundo o relatório "Fiscal Monitor" divulgado nesta quarta-feira (18).

Na previsão realizada em outubro, o Fundo estimava que as contas brasileiras teriam um superávit em 2021. Para este ano, a entidade projeta um déficit primário de 2,3% do PIB.

Na semana passada, diante da dificuldade de melhora das contas públicas, o governo propôs manter o rombo de R$ 139 bilhões nas contas públicas em 2019. A equipe econômica também trabalha com um resultado negativo até 2021.

Embora veja um quadro mais difícil para as contas públicas, o FMI melhorou a previsão de crescimento para a economia brasileira. Em 2018, o Fundo estima um avanço do PIB de 2,3%. O número é de 0,4 ponto porcentual maior do que a estimativa feita em janeiro.

Endividamento em alta
O Fundo também prevê que a dívida bruta deve avançar para 87,3% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, de 84% no ano passado. Em 2019, a projeção do fundo é de que ela deve superar o patamar de 90%.

Em relação ao relatório de outubro, a entidade melhorou levemente a projeções para o desempenho do endividamento. Antes, previa uma dívida bruta de 87,7% em 2018 e de 91,1% no ano que vem.

"A reforma da Previdência, que poderia produzir uma economia de cerca de 9,5% do PIB na próxima década, foi adiada. Espera-se que a dívida se estabilize em pouco menos de 100% na década em meados da década de 2020", informou o FMI.

Mais do que o rápido avanço da relação dívida/PIB, os números indicam que a economia brasileira é altatamente endividada quando se compara com a situação de outros países em desenvolvimento.

Segundo a projeção do FMI, o endividamento das economias emergentes será de 49% em 2018, avançando para 51,2% no ano que vem. Na América Latina, a relação dívida/PIB vai subir de 61,8% para 66,4% no mesmo período.

Fonte: 18/04/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114