Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Rombo da seguridade social cresce 13% em 2017, para R$ 292,4 bilhões

maisCotações e Índices

Moedas - 13/12/2018 16:08:28
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,883
  • 3,884
  • Paralelo
  • 3,870
  • 4,070
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,409
  • 4,412
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,907
  • 3,907
  • Libra
  • 4,903
  • 4,906
  • Ouro
  • 153,830
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O déficit do sistema de seguridade social, que reúne as áreas de Previdência, Saúde e Assistência Social, avançou 13% em 2017, para R$ 292,4 bilhões, o equivalente a 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), informou nesta quinta-feira (8) o Ministério do Planejamento. Tanto o valor quanto a proporção do PIB representam novo recorde histórico.

Em 2016, o déficit da seguridade social ficou em R$ 258,7 bilhões, ou 4,1% do PIB. Naquele ano, porém, o rombo cresceu 55% na comparação com 2015, índice bem superior ao verificado no ano passado.

O governo já havia divulgado, em janeiro, que o déficit da Previdência em 2017 foi de R$ 268,79 bilhões. Esse valor é a soma do resultado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), sistema público que atende aos trabalhadores do setor privado, e dos Regimes Próprios dos Servidores Públicos (RPPS) da União.

De acordo com o secretário de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, George Soares, a desaceleração no ritmo de crescimento do rombo está relacionada com o reaquecimento da economia, que fez subir a arrecadação, e com o reajuste do salário mínimo abaixo da inflação, que serve de base para o valor dos benefícios previdenciários e assistenciais.

Soares citou ainda o impacto do pente-fino feito pelo governo no pagamento de auxílio-doença e aposentadorias por invalidez.

No ano passado, as receitas da seguridade social somaram R$ 657,9 bilhões em 2017, com alta de 7,2% em relação ao ano anterior (R$ 613,2 bilhões). As despesas avançaram 9%, para R$ 950,3 bilhões, contra R$ 817,8 bilhões em 2016.

Receitas X despesas
Foram contabilizadas como receitas de seguridade social: arrecadação do INSS, CSLL, Cofins, PIS/Pasep, CPSS e outras contribuições.

Já como despesas foram contabilizados os gastos com benefícios do INSS, os gastos com servidores inativos da União, benefícios da LOAS (Lei Orgânica de Assistência Social), seguro-desemprego e abono salarial, Bolsa Família, os salários dos servidores ativos do orçamento de seguridade social e outras despesas de custeio e capital da seguridade social.

O Ministério do Planejamento informou ainda que, mesmo se não não houvesse a chamada Desvinculação de Receitas da União (DRU), o sistema de seguridade social também apresentaria resultado negativo. Nessa hipótese, estima, o déficit seria de R$ 192,1 bilhões no ano passado, contra R$ 166,9 bilhões em 2016.

Fonte: G1 Globo | 08/03/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114