Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

BNDES amplia prazo de financiamentos em infraestrutura a até 34 anos e reduz spreads

maisCotações e Índices

Moedas - 10/12/2018 16:02:03
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,926
  • 3,928
  • Paralelo
  • 3,900
  • 4,090
  • Turismo
  • 3,770
  • 4,080
  • Euro
  • 4,461
  • 4,463
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,966
  • 3,966
  • Libra
  • 4,929
  • 4,931
  • Ouro
  • 154,130
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta terça-feira (6) a ampliação do prazo total dos financiamentos de projetos de infraestrutura, que poderão chegar a até 34 anos, redução dos spreads (diferença entre o que os bancos pagam para captar dinheiro e o que ganham ao emprestar) e aumento da participação máxima do banco nos financiamentos.

As mudanças dão continuidade a medidas anunciadas em janeiro, quando entrou em vigor a Taxa de Longo Prazo (TLP), que substituiu a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) como taxa básica das operações do banco.

Os spreads - taxa de remuneração do banco - cairão para 0,9% ao ano, ante 1,7%, nos financiamentos em áreas consideradas prioritárias, que são segurança pública, inovação, meio ambiente, energia solar, saneamento, tratamento de resíduos sólidos e qualificação profissional. Nos demais casos, os spreads podem chegar a até a 2,1%, com faixas intermediárias de 1,3 e 1,7%.

O banco de fomento também anunciou que passará a calcular o percentual máximo de participação dos financiamentos com base no investimento total dos projetos, e não apenas em cima de itens financiáveis.

No caso de micro, pequenas e médias empresas, a participação do BNDES pode ser de até 100% em todas a linhas de financiamento. Para as grandes empresas, a participação máxima é de 80% para projetos de setores considerados prioritários e de 60% nos demais casos, disse o banco em comunicado.

O prazo total, incluindo carência e amortização, dos financiamentos nos projetos de ferrovias, rodovias, hidrovias e mobilidade urbana foram estendidos a até 34 anos. Para projetos em energias alternativas, portos, aeroportos, exportação e desenvolvimento regional, o prazo máximo total chega a 24 anos.

Para projetos de educação, saúde, segurança e telecomunicações, o prazo é de até 20 anos. E para capital de giro, o prazo máximo é de 5 anos.

Fonte: G1 Globo | 06/03/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114