Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Mercado espera Selic abaixo de 7% em 2018 e eleva previsão para o PIB

maisCotações e Índices

Moedas - 07/12/2018 17:39:00
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,890
  • 3,890
  • Paralelo
  • 3,860
  • 4,070
  • Turismo
  • 3,860
  • 4,100
  • Euro
  • 4,446
  • 4,447
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,931
  • 3,930
  • Libra
  • 4,963
  • 4,966
  • Ouro
  • 155,290
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 10/Dezembro/2018
  • Comprovante de Juros sobre o Capital Próprio-PJ.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.
  • Envio da Guia da Previdência Social aos Sindicatos.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Dados do boletim Focus mostram que o mercado ampliou a previsão de crescimento do PIB para 2017 e 2018 e reduziu mais uma vez a previsão de inflação para os dois anos.

Após 13 semanas seguidas prevendo a taxa básica de juros, a Selic, de 7% ao ano no final de 2018, analistas do mercado financeiro reduziram a previsão da Selic de 2018 para 6,75%. Atualmente, a taxa está em 7% ao ano.
Segundo dados do relatório de mercado conhecido como "Focus", o mercado também aumentou a previsão de crescimento da economia em 2017 de 0,96%, da semana anterior, para 0,98% e de 2,68% em 2018, contra 2,64% do último boletim Focus.
O Focus é feito com base em pesquisa do Banco Central, da semana passada, com mais de 100 instituições financeiras.
Inflação
No último relatório, os economistas entrevistados pelo Banco Central reduziram mais uma vez a previsão de inflação para 2017, de 2,83% para 2,78%, mantendo o índice abaixo do piso da meta do governo, que é de 3%.
Para 2018, a estimativa de inflação caiu de 4% para 3,96%.
No último relatório de inflação, divulgado na semana passada, o Banco Central admitiu que a inflação de 2017 deve ficar abaixo da média e estimou que o índice deve encerrar o ano em 2,8%.
Se as previsões se confirmarem a inflação deste ano também será a menor desde 1998, ano em que somou 1,65%, segundo a série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Pelo sistema brasileiro, a meta central é de 4,5% para este ano e para 2018, com um intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima e para baixo, de modo que a inflação pode ficar entre 3% e 6% sem que seja formalmente descumprida.
Quando a meta de inflação é descumprida, o presidente do Banco Central tem que escrever uma carta pública ao ministro da Fazenda explicando as razões para a variação fora da previsão.
Câmbio, balança e investimentos
Na edição desta semana do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2017 subiu de R$ 3,29 para R$ 3,30.
Para o fechamento de 2018, a previsão dos economistas para a moeda norte-americana aumentou de R$ 3,30 para R$ 3,31, depois de ficar estável por 13 semanas consecutivas.

A projeção do boletim Focus para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), em 2017, apresentou uma leve alta de US$ 65,82 bilhões para US$ 66 bilhões de resultado positivo.
Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit caiu de US$ 52 bilhões para US$ 52,5 bilhões.
A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2017, permaneceu em US$ 80 bilhões. Para 2018, a estimativa dos analistas também ficou estável também em US$ 80 bilhões.

fonte: g1.globo

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114