Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Arrecadação federal tem alta real de 9,5% em novembro e chega a R$ 115 bilhões

maisCotações e Índices

Moedas - 13/12/2018 16:08:28
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,883
  • 3,884
  • Paralelo
  • 3,870
  • 4,070
  • Turismo
  • 3,730
  • 4,040
  • Euro
  • 4,409
  • 4,412
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,907
  • 3,907
  • Libra
  • 4,903
  • 4,906
  • Ouro
  • 153,830
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Resultado foi divulgado nesta terça pela Receita. Resultado foi o melhor para novembro desde 2014. Na parcial de 2017, até novembro, arrecadação acumula R$ 1,2 trilhão.

A Receita Federal informou nesta terça-feira (19) que a arrecadação com impostos, contribuições e demais receitas teve alta real (acima da inflação) de 9,5% em novembro e chegou a R$ 115,08 bilhões.
Segundo a Receita, este foi o melhor resultado para novembro desde 2014 e foi alcançado, principalmente, pelas receitas do novo Refis (refinanciamento das dívidas com a União) e pelos depósitos judiciais, que somaram R$ 7,72 bilhões.
A arrecadação volta a subir após a queda de 20% em outubro, causada pelo processo de repatriação de recursos.
Os dados da arrecadação mostram que a economia já apresenta sinais de retomada após a recessão nos últimos anos.
A economia voltou a crescer nos três primeiros meses deste ano e continuou avançando no segundo e terceiro trimestres de 2017. Dados do BC também apontam continuidade da recuperação nos últimos meses.
Ações como a redução da taxa básica de juros da economia pelo Banco Central, com reflexo nas taxas de juros bancárias, e a liberação das contas inativas do FGTS ajudaram a impulsionar a economia nos últimos meses, segundo analistas.
Acumulado do ano
Na parcial dos onze primeiros meses deste ano, ainda segundo números da Receita Federal, a arrecadação total somou R$ 1,2 trilhão, com crescimento real de 0,13% frente ao mesmo período do ano passado. Foi a maior arrecadação para o período desde 2015.
Segundo a Receita Federal, esse crescimento da arrecadação no acumulado deste ano, contra 2016, aconteceu apesar do ingresso de R$ 46,8 bilhões em receitas extraordinárias no ano passado, por conta do processo de repatriação.
Neste ano, porém, as receitas com parcelamentos especiais somaram R$ 33,8 bilhões, com aumento de 87%, ou R$ 15,8 bilhões, sobre o mesmo período de 2016 - quando somaram R$ 17,99 bilhões.
De acordo com a Receita Federal, a alta da arrecadação, neste ano, também está em linha com os indicadores econômicos, que registraram aumento da atividade no acumulado de 2017.
Nos onze primeiros meses deste ano, a produção industrial avançou 1,78%, as vendas de bens e serviços cresceram 2% e a massa salarial avançou 2,32%. Já o valor em dólar das importações cresceu 11,43%.

Meta fiscal
O comportamento da arrecadação é importante porque ajuda o governo a tentar cumprir a meta fiscal, ou seja, o objetivo fixado para as contas públicas.
Para 2017 e 2018, a meta revisada pelo Congresso Nacional, a pedido da equipe econômica, é de déficit (resultado negativo) de até R$ 159 bilhões.
No ano passado, o rombo fiscal somou R$ 154,2 bilhões, o maior em 20 anos. Em 2015, o déficit fiscal totalizou R$ 115 bilhões.
A consequência de as contas públicas registrarem déficits fiscais seguidos é a piora da dívida pública e mais pressões inflacionárias.

fonte: g1.globo

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114