Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Google — gigante na internet e também em energia renovável

maisCotações e Índices

Moedas - 19/07/2019 13:19:24
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,739
  • 3,740
  • Paralelo
  • 3,710
  • 3,900
  • Turismo
  • 3,590
  • 3,890
  • Euro
  • 4,196
  • 4,200
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,809
  • 3,811
  • Libra
  • 4,673
  • 4,676
  • Ouro
  • 172,170
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 20/Julho/2019
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

São Paulo – Diariamente, milhares de pessoas em todo o mundo realizam trilhares de pesquisas no Google, reproduzem por minuto mais de 400 horas de vídeos no Youtube e armazenam um número a perder de vista de arquivos na nuvem. Como você deve imaginar, é preciso energia — muita energia — para alimentar os datacenters do gigante da internet.

Preocupado com os custos crescentes da energia e também em reduzir a pegada ecológica de suas operações, há sete anos, Google começou a investir em fontes de energia renovável como usinas solares e eólicas. Agora, a empresa está em vias de atingir sua principal meta ambiental: abastecer 100% de seus datacenters e escritórios em todo o mundo por fontes não poluentes até o final de 2017.

Para atingir isso, eles investiram quase US$ 2,5 bilhões em energia eólica e solar nos último anos, que somam um total de 3,7 gigawatts. A primeira grande investida  começou com um acordo de contrato de compra de energia de um parque eólico de 114 megawatts em Iowa, nos Estados Unidos, em 2010. Atualmente, a empresa investe em mais 20 megaprojetos de fontes renováveis, um verdadeiro império verde.

Segundo Urs Holzle, vice-presidente sênior da infraestrutura do Google, os custos mais baixos e contínuos das energias renováveis e sua estabilidade ajudaram a empresa a definir seu objetivo e alcançá-lo.

“Nos últimos seis anos, os custos da energia do vento e solar caíram 60 por cento e 80 por cento, respectivamente, provando que as fontes renováveis estão se tornando cada vez mais a opção de menor custo”, diz o executivo em post no site da empresa.

Embora o feito seja impressionante, ele destaca que tão importante quanto investir em novas fontes, reduzindo a dependência de combustíveis fósseis, é buscar mais eficiência energética.

E o Google se empenhou aí. Os centros de dados da empresa usam apenas metade da energia quando comparados com o de outras grandes corporações. Eles também conseguiram entregar três vezes mais poder de processamento usando a mesma quantidade de energia.

Fonte: Exame.com

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114