Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Governo regulamenta programa de microcrédito para empreendedores com renda até R$ 200 mil

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O governo regulamentou a concessão de microcrédito para fortalecer os pequenos negócios da população de baixa renda. Serão disponibilizados R$ 3 bilhões anuais, segundo anúncio feito na terça-feira (26). O programa faz parte de um pacote de ações federais dentro do Plano Progredir, que tem o objetivo de criar uma porta de saída para os beneficiários do Bolsa Família.

Além da verba para fortalecer pequenos negócios, o Progredir vai oferecer 1 milhão de vagas em cursos de capacitação, aulas de educação financeira e assessoria técnica a autônomos.

A Medida Provisória, que tem força de lei, entra em vigor 30 dias após a publicação nesta quarta-feira (27) no Diário Oficial da União.
De acordo com a MP, o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado tem o objetivo de apoiar atividades produtivas de empreendedores. Terão direito ao benefício pessoas naturais e jurídicas empreendedoras de atividades produtivas urbanas e rurais, organizadas de forma individual ou coletiva, com renda e receita bruta anuais de até R$ 200 mil.

Entre as fontes de recursos para o programa estão o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e o Orçamento Geral da União.

Serão autorizados a operar o programa a Caixa Econômica Federal; o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); bancos comerciais; bancos de desenvolvimento; bancos múltiplos com carteira comercial; cooperativas centrais de crédito; cooperativas singulares de crédito; agências de fomento; sociedade de crédito ao microempreendedor e à empresa de pequeno porte, e organizações da sociedade civil de interesse público.

O Ministério do Trabalho ficará responsável por celebrar convênios, parcerias, acordos, ajustes e outros instrumentos de cooperação técnico-científica para aprimorar a atuação das entidades autorizadas a operar o programa, além de estabelecer os requisitos para a habilitação das entidades e fazer o seu monitoramento.

Haverá um Conselho Consultivo, composto por representantes de órgãos e de entidades da União, com a finalidade de propor políticas e ações de fortalecimento e expansão do programa. Será estabelecido também um Fórum Nacional de Microcrédito, com a participação de órgãos federais e entidades representativas, como ministérios e bancos públicos, com o objetivo de promover o contínuo debate entre as entidades. Ambos serão presididos pelo Ministério do Trabalho.

As operações de crédito deverão contar com garantias como contrato de fiança e de alienação fiduciária.

Entre os critérios para a concessão do benefício estão a avaliação dos riscos da operação, considerados a necessidade de crédito, o endividamento e a capacidade de pagamento de cada tomador; a análise de receitas e despesas do tomador; acompanhamento diário do volume e da inadimplência das operações realizadas.

Antes da primeira concessão de crédito, um profissional especializado realizará a análise socioeconômica do tomador e prestará orientação educativa sobre o planejamento do negócio. Esse profissional acompanhará a execução do contrato junto ao tomador. Os contatos posteriores à primeira concessão de crédito poderão ser feitos de forma não presencial.

No contrato que formaliza a operação de crédito, deverá vir a taxa de juros a ser cobrada, além de outras taxas e encargos que incidam sobre o financiamento.

Fonte: g1.globo

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114