Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Juro médio no crédito livre sobe a 46,6% em julho; cheque especial recua a 321,3%

maisCotações e Índices

Moedas - 11/12/2018 16:38:47
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,917
  • 3,919
  • Paralelo
  • 3,900
  • 4,090
  • Turismo
  • 3,760
  • 4,080
  • Euro
  • 4,432
  • 4,434
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,943
  • 3,943
  • Libra
  • 4,903
  • 4,905
  • Ouro
  • 155,800
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A taxa média de juros no crédito livre subiu de 46,2% ao ano em junho para 46,6% ao ano em julho, informou nesta quinta-feira, 24, o Banco Central, por meio da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito. Em julho de 2016, essa taxa estava em 52 6% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 63,4% para 63,8% ao ano na passagem de junho para julho, enquanto para pessoa jurídica foi de 24,8% para 25 3% ao ano.

Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física destaque para o cheque especial, cuja taxa recuou de 322,6% para 321,3% ao ano de junho para julho. Para o crédito pessoal, subiu de 48,6% para 50,4% ao ano. Para veículos, os juros caíram ligeiramente, de 24,0% para 23,8% ao ano, de junho para julho. 

A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), acelerou de 28,8% ao ano em junho para 29,0% ao ano em julho. Em julho de 2016, estava em 33,0%. 

Média diária

A média diária de concessões de crédito livre caiu 10,6% em julho ante junho, para R$ 11,1 bilhões, informou o Banco Central. No crédito direcionado, a média cedeu 28,9%, para R$ 1 1 bilhão. Em julho de 2016, a média era de R$ 10,6 bilhões no caso de recursos livres e de R$ 1,4 bilhão no de direcionado.

No acumulado do ano até julho, a alta é de 1,5% para os recursos livres e o recuo é de 8,4% para o financiamento direcionado. Nos 12 meses encerrados em julho, as taxas são de, respectivamente, -1,8% e -14,8%.

Quando se soma o crédito livre e o direcionado, a queda das concessões médias foi de 12,6% em julho ante junho, num total de R$ 12,2 bilhões. A média diária em julho de 2016 era de R$ 12,0 bilhões. No acumulado de 2017, a alta é de 0,5% e, em 12 meses até julho, o recuo é de 3,3%. 

Spread médio

O spread bancário médio no crédito livre subiu de 36,6 pontos porcentuais em junho para 37,6 pontos porcentuais em julho, informou o Banco Central. O spread médio da pessoa física no crédito livre passou de 53,6 pontos para 54,5 pontos porcentuais no período. 

Para pessoa jurídica, o spread médio avançou de 15,4 pontos para 16,7 pontos porcentuais.

O spread médio do crédito direcionado caiu ligeiramente, de 4,4 pontos em junho para 4,3 pontos em julho. Já o spread médio no crédito total (livre + direcionado) passou de 21,0 para 21,5 pontos porcentuais no período.

Apesar do aumento dos spreads, o BC informou que a taxa de captação dos bancos no crédito livre caiu de 9,6% em junho para 9% em julho. 

Inadimplência

Segundo o Banco Central, a taxa de inadimplência no crédito livre seguiu em 5,6% em julho, mesma taxa registrada em junho. Em julho de 2016, a taxa estava em 5,7%. 

Para pessoa física, a taxa de inadimplência passou de 5,8% em junho para 5,7% em julho. No mesmo mês do ano passado, estava em 6,2%. Para as empresas, a taxa foi de 5,3% em junho para 5,5% em julho. 

A inadimplência do crédito direcionado passou de 1,9% em junho para 2,0% em julho. 

O dado que considera crédito livre mais direcionado mostra manutenção da inadimplência de junho para julho, em 3,7%. Um ano antes, a taxa estava em 3,6%.

No cheque especial, o volume de calotes passou de 15,2% em junho para 14,8% em julho. 

No caso de aquisição de veículos, o volume de calotes foi de 4 4% em junho para 4,2% em julho. No cartão de crédito, passou de 7,5% para 7,4% no período.

Fonte: diariodepernambuco.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114