Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Bovespa opera em forte alta e bate 70 mil pontos; Eletrobras sobe mais de 40%

maisCotações e Índices

Moedas - 11/12/2018 16:38:47
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,917
  • 3,919
  • Paralelo
  • 3,900
  • 4,090
  • Turismo
  • 3,760
  • 4,080
  • Euro
  • 4,432
  • 4,434
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,943
  • 3,943
  • Libra
  • 4,903
  • 4,905
  • Ouro
  • 155,800
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O principal índice da B3 (antiga BM&FBovespa, a bolsa brasileira) opera em forte alta nesta terça-feira (22), chegando a bater o patamar de 70 mil pontos. Os papéis da Eletrobras eram destaque de alta - o avanço passava dos 40% nos papéis ordinários, após o governo anunciar plano de vender o controle da estatal de energia elétrica, em movimento que pode gerar uma arrecadação de até R$ 20 bilhões para a União.

Às 12h18, o principal índice da bolsa de SP subia 2,17%, a 70.123 pontos. 

A última vez que o Ibovespa bateu o patamar de 70 mil pontos foi em 19 de janeiro de 2011, quando fechou em 70.058 pontos. O recorde histórico foi em 20 de maio de 2008, com 73.516 pontos.

Por volta do mesmo horário, as ações ordinárias da Eletrobras, que dão direito aos acionistas voto nas assembleias, subiam 40,14%. Já as ações preferenciais, que dão aos acionistas prioridade no recebimento dos lucros da empresa, avançavam 26,7%.

A fatia da Eletrobras que será colocada à venda não foi revelada, mas a desestatização usará modelo semelhante ao adotado em empresas como Vale e Embraer, em que o governo mantém direito a veto em decisões estratégicas da empresa, segundo a Reuters.

Segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, o processo será conduzido por meio da emissão de novas ações, diluindo a fatia da União.

Em nota a clientes, a equipe do Credit Suisse destaca que a a proposta de perda de controle por aumento de capital não precisaria ser aprovada pelo Congresso, o que, em tese, facilitaria sua execução. "A ideia de diluição de controle nos parece ser a mais viável, na situação de uma verdadeira tentativa de turnaround na empresa, já que as restrições de empresa estatal e os passivos históricos da companhia impedem uma gestão mais efetiva atual", escreveu a equipe do Credit Suisse em nota a clientes, de acordo com a Reuters.

"Nós acreditamos que o cenário em que o governo dilua sua fatia em 33 por cento e levante 20 bilhões de reais é um em que: todas as medidas propostas (especialmente as que tornam a empresa de capital privado, com melhor governança corporativa e corte de gastos) aumente o valor de mercado da Eletrobras em mais de 100 por cento; e a Eletrobras capte 20 bilhões de reais em uma oferta primária e pague a dívida de 20 bilhões de reais a bancos públicos. Após esse pagamento, os bancos pagariam dividendos ao governo federal", escreveram os analistas do BTG Pactual.

Outros destaques de alta ficavam com as ações da Petrobras, que subiam mais de 3%, assim como as do BB. JBS tinha forte valorização, de mais de 2%. A Cemig tinha valorização de mais de 6%.

Véspera

Na véspera, principal índice da B3 fechou em leve queda, após operar em alta durante boa parte do pregão e atingir a faixa dos 69 mil pontos. Investidores evitavam grandes apostas à espera de novidades no cenário político local, segundo a Reuters.

O Ibovespa, principal indicador da bolsa, terminou a sessão em recuo de 0,12%, a 68.634 pontos.

Fonte: g1.globo

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114