Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Comissão do Senado aprova projeto de lei que permite acúmulo de internet móvel

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Digamos que você tenha 2 GB de internet móvel para usufruir do seu plano, mas, ao chegar no fim do mês, não importa se você gastou tudo isso ou não, o saldo é zerado para o mês seguinte. Essa é a realidade da maioria dos usuários de smartphone no Brasil, mas um projeto de lei pode acabar com a prática.

A Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado aprovou na última quarta-feira, 5, um projeto de lei que permite ao usuário acumular saldo de internet para usar por até dois meses seguidos. A ideia é que, se no fim do mês você ainda tiver 500 MB não utilizados, esse limite seja acrescentado aos 2 GB do mês que vem, por exemplo.

O PLS 110/2017 é de autoria do senador Dário Berger (PMDB-SC). "Hoje, as operadoras usam dois pesos e duas medidas", disse ele durante o debate na CCT, segundo informações da Agência Senado. "Se você usar menos que o contratado, não tem o que você pagou reposto. Mas, se você usa a mais, imediatamente tem o serviço cortado", justificou sua proposta.

O texto agora segue para a Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle (CTFC). De lá, cabe aos parlamentares decidir se a proposta precisa passar pelo plenário, por outra comissão ou se pode virar lei imediatamente, caso seja aprovada. Em seguida, a proposta vai para a Presidência da República, que tem o poder de decidir se a lei entra em vigor ou não.

fonte: olhardigital.com

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114