Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Governo deve investir R$ 50 bi em infraestrutura até o fim de 2018, diz ministro

maisCotações e Índices

Moedas - 24/04/2019 13:20:34
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,973
  • 3,974
  • Paralelo
  • 3,920
  • 4,130
  • Turismo
  • 3,810
  • 4,130
  • Euro
  • 4,445
  • 4,447
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,901
  • 3,900
  • Libra
  • 5,139
  • 5,140
  • Ouro
  • 161,030
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 24/Abril/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

O governo federal pretende investir mais de R$ 50 bilhões em projetos de infraestrutura até o fim de 2018, no âmbito do Programa Avançar, que está em fase final de elaboração, disse à Reuters nesta quarta-feira o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella.

A medida, uma espécie de continuação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) dos governos petistas, deve ser anunciada formalmente na semana que vem e insere-se no esforço do governo de gerar ações para movimentar a economia, em meio a uma crise política, agravada por denúncias contra o presidente Michel Temer, que têm dificultado o andamento de projetos do governo.

Diferentemente do Programa de Parcerias em Investimentos (PPI), que engloba projetos a serem concedidos, privatizados ou parcerias com o setor privado, o Avançar é um programa de obras públicas.

Segundo Quintella, só o Ministério dos Transportes deve receber investimentos de mais de r$ 20 bilhões.

"O ministério vai receber cerca de 40% dos investimentos do programa", disse Quintella em entrevista à Reuters.

"São investimentos a serem feitos até o final de 2018", acrescentou o ministro, após participar de reunião sobre o programa na Casa Civil.

Dentro da área de transportes, as rodovias receberão a maior fatia dos investimentos. Serão cerca de R$ 16 bilhões para a construção, pavimentação e manutenção de vias federais.

Para o setor de ferrovias, a previsão é de investimentos de R$ 1 bilhão.

"Esse dinheiro será usado para concluir a obra da Norte-Sul e avançar na da Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste)", explicou Quintella.

A Norte-Sul, aliás, está nos planos de concessões do governo e deve ir a leilão no começo do ano que vem. A ideia, no entanto, é que o investidor receba a linha concluída e tenha de injetar recursos em outras áreas, como compra de material rodante e construção de pátios.

Os portos também devem ser contemplados no programa, disse o ministro. A área deverá receber investimentos de 1,79 bilhão, para dragagens e outras benfeitorias. Outros R$ 400 milhões deverão ser direcionados a obras em hidrovias.

O programa reserva ainda cerca de R$ 820 milhões para obras em aeroportos.

O anúncio da injeção de recursos na economia por meio do Avançar também acontece em um momento em que o governo Temer procura demonstrar certo nível de normalidade em meio às acusações que pesam contra o presidente e que tem dificultado o andamento de projetos do governo, especialmente no Congresso Nacional.

Temer é alvo de uma denúncia por corrupção da Procuradoria-Geral da República que tramita na Câmara dos Deputados, a quem cabe autorizar o Supremo Tribunal Federal (STF) a analisar de aceita ou não a acusação e processa o presidente.

A maior parte da agenda de Temer tem sido dedicada a conversa com parlamentares na tentativa de barrar a denúncia da PGR na Câmara e garantir a permanência do presidente no cargo.

Fonte: g1.globo

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114