Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Deputados brasileiros vão discutir regulamentação e imposto para bitcoins

maisCotações e Índices

Moedas - 25/06/2019 13:25:37
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,833
  • 3,833
  • Paralelo
  • 3,810
  • 4,000
  • Turismo
  • 3,680
  • 3,990
  • Euro
  • 4,363
  • 4,365
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,940
  • 3,940
  • Libra
  • 4,871
  • 4,875
  • Ouro
  • 172,610
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 28/Junho/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • IRPF - Imposto de Renda sobre a Pessoa Física
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A Câmara dos Deputados abriu na terça-feira (30) uma comissão especial para abrigar debates a respeito de "regras para operações com moedas virtuais" — ou seja, eventuais projetos de lei que envolvem a regulamentação de serviços como a bitcoin.
Segundo a Rádio Câmara, uma das discussões envolve categorizar as moedas virtuais na categoria “arranjos de pagamento”, o que a deixaria sob a supervisão do Banco Central no país. O tema não é tratado com urgência e nenhuma lei deve surgir imediatamente, mas vários pontos devem ser abordados nas sessões.
O autor do projeto de lei, deputado Aureo (SD-RJ), diz que o objetivo da discussão é "reduzir os riscos das moedas virtuais contra a estabilidade financeira da economia, diminuir a possibilidade dessas moedas financiarem atividades ilegais e proteger o consumidor contra eventuais abusos".
A discussão vai longe
O deputado Expedito Netto (PSD-RO) é o possível relator da comissão do bitcoin. Ele já declarou que as transações envolvem "um processo tão simples que chega a ser perigoso" e que a comissão pode debater como seria feita uma cobrança de impostos em cima da moeda e a declaração no Imposto de Renda.
Muitos dos deputados vão ouvir pela primeira vez sobre o assunto na Câmara

Além da bitcoin e outras moedas virtuais menos populares, os programas de milhagem do transporte aéreo  serão debatidos na comissão e podem acabar classificados também como uma espécie de moeda virtual.
Faz sentido?
Antes de tirar conclusões precipitadas sobre a comissão, é importante analisar um pouco a proposta. É interessante ver como a bitcoin está aos poucos chegando ao conhecimento de um público que não é tão familiarizado com o assunto — mesmo que o motivo seja o ataque do WannaCry. E é natural que, à primeira vista, ela pareça mesmo "coisa de criminoso", mas é importante que esse preconceito seja descontruído já neste momento nos debates da Câmara.
A declaração no Imposto de Renda já é possível de ser feita. Porém, uma eventual regulamentação e até controle do Banco Central tiraria uma das principais características da criptomoeda, que é a independência de instituições bancárias e governos para funcionar. Já a preocupação com a segurança é sempre válida, mas também é preciso ter cuidado para não tirar a "essência" do serviço aqui no Brasil.

fonte: tecmundo.com

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114