Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Alta de vendas na Páscoa pode ser a primeira em dois anos

maisCotações e Índices

Moedas - 14/12/2018 16:03:52
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,900
  • 3,901
  • Paralelo
  • 3,880
  • 4,080
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,407
  • 4,408
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,913
  • 3,912
  • Libra
  • 4,900
  • 4,903
  • Ouro
  • 152,150
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 17/Dezembro/2018
  • INSS | Previdência Social.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

São Paulo – O varejo pode registrar, na Páscoa, o primeiro crescimento das vendas em uma data comemorativa depois de dois anos.

Desde 2015, as vendas da Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia dos Pais e Natal, as datas mais importantes para o comércio, vêm apresentando desempenho negativo.

Para a Páscoa deste ano, projeções indicam que o volume de venda real, descontada a inflação, deverá crescer 1,3% em relação à mesma data de 2016, segundo a Confederação nacional do Comércio (CNC).

Será o primeiro crescimento real desde 2014, quando houve um aumento de 2,6% nas vendas.

O avanço é pequeno, mas é um sinal importante, porque indica uma reversão de tendência. “O dado positivo para o varejo é a quebra da sequência de queda nas vendas”, diz o economista sênior da CNC, responsável pelas projeções, Fabio Bentes.

Ele acredita que esse movimento não será restrito à Páscoa, mas deve se repetir também em outras datas comemorativas ao longo deste ano.

No caso da Páscoa, Bentes explica que o faturamento deve se concentrar nos hipermercados, supermercados e nas lojas especializadas. A expectativa é que esse segmento do varejo fature neste ano R$ 2,1 bilhões.

Como a Páscoa é uma data móvel, isto é, não cai sempre no mesmo mês, o economista explica que fez os ajustes e considerou o desempenho registrado no mês específico em cada ano para as devidas comparações.

Inflação

Boa parte da reação de vendas deve ocorrer por causa da desaceleração da inflação, que amplia o poder de compra do consumidor.

Inicialmente, diz Bentes, a expectativa era de estabilidade nas vendas da Páscoa em relação às da mesma data do ano passado.

Mas, diante dos indicadores mais favoráveis que começaram a aparecer, especialmente a desaceleração da inflação, as projeções foram revisadas para cima.

O comportamento moderado do produtos e serviços geralmente mais consumidos nesta época do ano fez com que a inflação da “cesta de Páscoa”, apurada pela CNC, registrasse nos últimos 12 meses encerrados em março aumento de 4,6%.

É um terço da alta atingida no ano passado (12,3%) e a menor variação para esse grupo de produtos desde 2008 (4,5%). Os cálculos foram feitos com base na prévia do índice oficial de inflação do IBGE, o IPCA-15.

Bentes observa que a variação dos preços da cesta de Páscoa poderia ser menor ainda, se não fosse a mudança da tributação do chocolate.

Até 1.º de maio do ano passado, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) do chocolate variava entre R$ 0,09 e R$ 0,12 por quilo.

Para aumentar a arrecadação, o produto passou a ser tributado com um alíquota fixa 5% sobre o valor de venda.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: exame.abril.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114