Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Conta de luz deve ter bandeira verde ao menos até final de abril, diz Aneel

maisCotações e Índices

Moedas - 24/06/2019 13:21:33
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,818
  • 3,820
  • Paralelo
  • 3,810
  • 4,010
  • Turismo
  • 3,670
  • 3,970
  • Euro
  • 4,354
  • 4,356
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,928
  • 3,928
  • Libra
  • 4,865
  • 4,869
  • Ouro
  • 170,340
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 24/Junho/2019
  • DCTF Mensal | Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

As contas de luz do Brasil deverão manter a bandeira tarifária verde, que não implica em custos extras para os consumidores, ao menos até o final de abril, projetou nesta sexta-feira (3) o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino.

As bandeiras amarela e vermelha, que são acionadas quando há uma menor oferta de energia no sistema, geram a cobrança de um valor extra por cada kilowatt-hora consumido.

"Até o final do período úmido, não vislumbro cenário que possa acionar bandeira amarela. No período seco, a partir de maio, depende de como fecharmos o período úmido, não dá para fazer essa previsão agora", afirmou Rufino a jornalistas, após participar de evento em São Paulo.

Revisão

O diretor também descartou que a necessidade de alguma revisão nos valores cobrados aos consumidores após uma decisão da Aneel de recontabilizar o preço spot da eletricidade de novembro e das primeiras três semanas de dezembro.

Naquele mês havia sido acionada a bandeira amarela, mas o preço spot após a revisão indica que o mês deveria ter sido de bandeira verde.

Segundo Rufino, não é necessária uma devolução de recursos aos consumidores porque a arrecadação gerada com a bandeira fica em uma conta e é repassada às distribuidoras de eletricidade conforme necessário, para custear a compra de energia de termelétricas, que têm a geração mais cara que as usinas hídricas.

"Ela já é devolvida... a bandeira na verdade é uma arrecadação fica em uma conta e é usada para cobrir o acionamento... todo ano definimos o orçamento da bandeira para o ano que vem, o primeiro item que compõe é o saldo (da conta), se tem sobra ou insuficiência (de recursos)".

O diretor da Aneel confirmou ainda que a agência abrirá uma debate para possivelmente revisitar as regras sobre em que ocasiões pode se dar a republicação do preço spot da energia elétrica, ou Preço de Liquidação das Diferenças (PLD).

A revisão dos valores de novembro e dezembro, anunciada na reta final do ano passado, gerou polêmica por afetar financeiramente operações já realizadas entre os agentes de mercado.

"A gente vai reabrir a discussão... como houve uma provocação de que talvez essa não seja a melhor regra, proximamente vamos abrir uma audiência pública para discutir isso".

A Reuters publicou na quinta-feira que a Aneel deverá rever a regra, com informação da Associação Brasileira de Comercializadores de Energia (Abraceel). 

Fonte: uol.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114