Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Produtos em estoque: como movimentar o negócio

maisCotações e Índices

Moedas - 10/12/2018 16:02:03
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,926
  • 3,928
  • Paralelo
  • 3,900
  • 4,090
  • Turismo
  • 3,770
  • 4,080
  • Euro
  • 4,461
  • 4,463
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,966
  • 3,966
  • Libra
  • 4,929
  • 4,931
  • Ouro
  • 154,130
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Os produtos parados em estoque geralmente são os grandes problemas de logística dos empresários. Para o pequeno lojista, diante de tamanha crise que vivemos, é uma questão de sobrevivência no mercado. Todo lojista deve saber quanto custa estocar um produto, que vai desde o custo por m², passando pela obsolescência ou vencimento - se for perecível -, e por fim, no custo do dinheiro parado que poderia estar em outra mercadoria com mais giro no momento. “Giro”: a própria palavra diz, movimento de entrada (compra) e saída (venda) que tem por objetivo gerar lucro. Ou seja, se não há movimento, há prejuízo para o negócio. É preciso pensar rápido. Mas como transformar aquela mercadoria parada em clientes entrando em sua pequena e modesta loja?

Primeiro você precisa identificar os produtos que estão com um tempo maior que o giro médio do seu estoque. Isso pode ser feito a partir de um software de gestão, caso você tenha, ou até mesmo em um inventário manual - portanto se seus vendedores estão parados, coloque-os para ajudar nesse levantamento. A promoção desses produtos pode ser uma boa ideia, mas é preciso que o consumidor saiba disso. Ele precisa saber que eles existem e estão ali.

Portanto, planejar a promoção é essencial, mas vai muito além de um preço atraente. É inegável que hoje, para o consumidor, o ponto mais sensível é o preço, mas com a crise, a maneira e a forma de como se fazer uma promoção não depende apenas disto – lembre-se, os tempos mudaram. Normalmente você usaria outdoor, placas, faixas, rádio, jornais de bairro, etc.

Sua campanha teria um custo médio de pelo menos R$ 400,00, por menor que fosse. Mas sabemos que todas essas mídias têm suas fraquezas, raio de alcance, incertezas de chegar ao consumidor certo e a falta de um relatório de acompanhamento da campanha que lhe mostre o desempenho com informações, para que você possa fazer os devidos ajustes ou comemorar o sucesso.

Por isso, aposte em sites comparadores de preços que trabalham com lojas físicas e virtuais, mas que mantenham o foco no produto mais barato (e não no cliente que paga para isso). Além disso, nestas ferramentas não existem limite de produtos e é conveniente para os consumidores identificarem as lojas mais próximas. Outra ferramenta é são os anúncios nos buscadores de internet, onde você encontra todos os recursos dos sites comparadores de preços. Porém a divulgação se dá em um formato de anúncio ligado às palavras chaves que as pessoas buscam na internet.

Não podemos esquecer das redes sociais, onde você pode impulsionar seu post e alcançar um número representativo de pessoas com características que você pode pre-estabelecer para que o seu post apareça. É possível concluir, portanto, que é importante experimentar e usar as novas tecnologias e ferramentas para se impulsionar. Os novos tempos exigem e falam que “nos movimentar é preciso”.

Leonídio de Oliveira Filho

Fonte: administradores.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114