Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Preocupado com a aposentadoria? Veja 7 dicas para não depender só do INSS

maisCotações e Índices

Moedas - 19/12/2018 09:38:45
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,896
  • 3,898
  • Paralelo
  • 3,870
  • 4,070
  • Turismo
  • 3,880
  • 4,110
  • Euro
  • 4,442
  • 4,444
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,931
  • 3,930
  • Libra
  • 4,930
  • 4,933
  • Ouro
  • 155,030
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 20/Dezembro/2018
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte.
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras.
  • INSS | Previdência Social.
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal.
  • Simples Nacional.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação.
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas.
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação.
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES.
  • 13º salário 2018.
  • INSS | 13º salário 2018.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Está preocupado com a aposentadoria? A possibilidade de uma reforma da Previdência e a perspectiva de ter que trabalhar mais para conseguir o benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) estão fazendo muitos brasileiros se perguntarem: será que vou conseguir me aposentar?

"Eu mesmo estou com medo", diz Marcos Crivelaro, 49, professor de finanças da Fiap (Faculdade de Informática e Administração Paulista). Apesar de contribuir com o INSS há 25 anos, ele não quer depender exclusivamente do governo na hora de pendurar as chuteiras. Por isso, tem um plano de previdência privada, poupa 10% da renda todo mês e investe em ações, Tesouro Direto e até em bitcoins (moeda virtual).

"Hoje você tem que abrir mão um pouco do seu presente para guardar para o futuro, porque ninguém vai fazer isso por você. Em vez de comer duas pizzas por semana agora, come uma e deixa a outra para comer aos 70 anos", diz Crivelaro.

Saiba como ter uma renda mensal sem trabalhar
O UOL ouviu Crivelaro, além de Reinaldo Domingos, presidente da Dsop Educação Financeira, e Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, e reuniu dicas para quem quer garantir uma aposentadoria mais tranquila e não depender só do INSS. Confira.

1) Saiba quanto ganha e quanto gasta

O primeiro passo é saber quanto ganha e quanto gasta, por meio do orçamento financeiro, para identificar quanto consegue poupar e também para cortar as despesas desnecessárias. Se as despesas com casa e carro, por exemplo, já estão muito altas no presente, avalie se não deve mudar agora o padrão de vida.

2) Poupe mais que 10%

Para fazer uma economia que garanta uma tranquilidade no futuro, é bom começar poupando 10% de sua renda líquida, que é o dinheiro que você recebe após os descontos. Mas não basta: é preciso se esforçar para ir além disso. Segundo Reinaldo Domingos, quanto mais velha for a pessoa, menos tempo terá para acumular sua reserva para aposentadoria. Por isso, teria que guardar um valor maior por mês do que alguém que começou cedo.

3) Mantenha o foco e seja disciplinado

Se está poupando para a aposentadoria, é preciso manter o foco. Não pode pensar que está faltando muito tempo ainda e gastar com consumo. Se quiser comprar algo no meio do caminho, precisa fazer outra poupança para esse gasto específico, afirmam os especialistas. Além disso, é preciso manter a disciplina de poupar. "Não adianta guardar um mês e não poupar dez. Só terá dinheiro no futuro quem guardou no presente", diz Crivelaro.

4) Cautela com os riscos

O conselho de Domingos e Marcela é que o dinheiro para fazer uma reserva para o futuro seja aplicado em investimentos não muito arriscados (como ações). "Essa história de que ações são boas aplicações de longo prazo vale para os Estados Unidos, que já é um mercado maduro", diz a economista. Domingos também não aconselha a investir em ações, pois a pessoa pode não ter tempo para recuperar um eventual prejuízo. É melhor investir em aplicações de renda fixa que tenham mais segurança, como Tesouro Direto, fundos e CDBs de grandes bancos, sugerem ambos.

Para Crivelaro, investir em aplicações mais arriscadas, com chances de render mais, como ações, é uma boa opção para quem é mais jovem. Porém, ele sugere ir substituindo por investimentos menos arriscados ao chegar perto dos 40 anos. "Quem é jovem tem tempo de se recuperar de quedas", diz. "Para investir em algo mais arriscado é preciso conhecimento e ajuda de especialistas", diz.

5) Avalie quanto rende a aplicação 

Se você investir o dinheiro economizado numa aplicação com rendimento maior, vai ganhar mais com os juros e precisará poupar menos por mês. Um exemplo: quem pretende poupar durante 30 anos para ter uma renda de R$ 3.000 mensais no futuro precisa depositar R$ 467,69 por mês na poupança; se optasse pelo Tesouro Selic, essa mesma pessoa precisaria depositar R$ 125,41 por mês para alcançar o mesmo objetivo. Isso porque o Tesouro Selic rende mais que a poupança. Os cálculos são de Marcela Kawauti. "Os juros altos, que trabalham contra o devedor, são favoráveis ao investidor", diz.

6) Cuidado com os imóveis 

Investir em imóveis para garantir uma renda de aluguel pode ser uma boa alternativa para a aposentadoria, mas é preciso cuidado, afirma Domingos. Não é recomendado que a pessoa só tenha imóveis para alugar e nenhum dinheiro disponível em aplicações; se o imóvel ficar vago, o dinheiro vai faltar. "De preferência, 60% do dinheiro acumulado deve estar disponível em aplicações financeiras que tenham liquidez [que seja rápido para conseguir sacar o dinheiro vivo]", diz o educador.

7) Considere ter uma previdência privada

A previdência privada é um investimento indicado para quem quer complementar a aposentadoria do INSS. Ela é indicada para quem quer investir no longo prazo, pois oferece vantagens tributárias para deixar o dinheiro aplicado por mais de 10 anos. É preciso estar atento para escolher entre os tipos de previdência: o PGBL é indicado para quem faz a declaração completa do Imposto de Renda; o VGBL, para quem faz o IR pelo modelo simplificado. No PGBL, os impostos incidem sobre todo o dinheiro aplicado e no VGBL, apenas sobre a rentabilidade.

Fonte: uol.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114