Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Gestão comercial: o que não fazer na crise

maisCotações e Índices

Moedas - 12/12/2018 16:11:34
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,847
  • 3,849
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,020
  • Turismo
  • 3,690
  • 4,000
  • Euro
  • 4,376
  • 4,380
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,881
  • 3,882
  • Libra
  • 4,870
  • 4,873
  • Ouro
  • 156,000
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Manter os negócios estáveis é um grande desafio durante a crise econômica. Muitas vezes é preciso fazer mudanças na gestão e elas incluem também a área comercial. Porém o consultor empresarial Roberto Vilela alerta que algumas ações não devem ser realizadas mesmo quando a economia está desfavorável.

O profissional da Mega Empresarial explica que a área comercial é o centro qualquer empresa e o resultado dela influencia em toda a gestão. “Por isso, com ou sem crise algumas ações podem gerar fracasso ou sucesso dos negócios”, diz.

Confira o que não fazer na gestão comercial da sua empresa:

Diminuir custos sem se programar: 
o corte pode ser, sim, necessário. Mas é preciso uma avaliação em curto e longo prazo sobre o impacto dele nos negócios. “Seja na redução do quadro de funcionários, orçamento para viagens ou incremento do mix. Nunca se pode apenas reduzir gastos. Talvez seja hora de investir e manter as atividades para, após a crise, estar na frente dos concorrentes e colher os frutos”, avalia Roberto.

Focar apenas no resultado atual: 
programar metas e realizar o planejamento é sempre importante. Mas para isso, leve em consideração o desempenho da empresa também em época de economia aquecida. “É o que chamamos de olhar o copo meio cheio: se eu tive um bom resultado há dois anos, posso consegui-lo quando os clientes voltarem a comprar mais. Mas para isso tenho que deixar de olhar apenas nas vendas dos últimos meses e sim no potencial e histórico da empresa”, explica o consultor.

Não investir em treinamentos e profissionais qualificados: 
uma equipe bem preparada fará toda a diferença. É ela quem trará soluções para o atual momento e ajudará a empresa a sair da crise fortalecida. Por isso, deixar de investir em qualificação, como treinamentos e consultorias irão impactar não só no atual cenário, mas no desenvolvimento futuro da companhia.

Não repensar a política de preços e prazos: 
se está difícil para a sua empresa, com certeza também está para o seu cliente. “Este é o momento de exaltar os diferenciais frente à concorrência: preço, prazo, entrega. Além disso, perder venda é um mau negócio, ainda mais na crise. Não deixe de repensar esses pontos. Eles podem ser determinantes para a fidelização do cliente, que continuará comprando depois da crise”, conclui o consultor.

Fonte: administradores.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114