Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Trabalhando fora do horário de expediente

maisCotações e Índices

Moedas - 12/12/2018 16:11:34
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,847
  • 3,849
  • Paralelo
  • 3,820
  • 4,020
  • Turismo
  • 3,690
  • 4,000
  • Euro
  • 4,376
  • 4,380
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,881
  • 3,882
  • Libra
  • 4,870
  • 4,873
  • Ouro
  • 156,000
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 13/Dezembro/2018
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

A divisão entre o horário de expediente e o tempo livre é um dos assuntos mais críticos para os profissionais hoje em dia, principalmente no contexto do mundo corporativo. Uma pesquisa realizada pela Randstad, empresa multinacional de recursos humanos, mostrou que o fato de as pessoas ocuparem os momentos de folga com e-mails e telefonemas do trabalho está se tornando cada vez mais comum e até mesmo aceito pela maioria.

Entre os mais de 13.600 entrevistados ouvidos ao redor de 34 países, 56% afirmaram que não se importam em resolver temas do trabalho durante o tempo livre. No Brasil, esse índice alcançou 68% e, na Índia, chegou a 76%. Os japoneses são os que mais delimitam o horário entre o privado e o profissional, uma vez que apenas 35% responderam positivamente ao estudo.

Do total de profissionais ouvidos pela pesquisa, 57% acreditam que seus empregadores esperam que estejam disponíveis também fora do escritório. No Brasil, esse número sobe para 58%. Os chineses, com 89% e os suecos, com 40%, são os dois polos que aparecem nesta parte do levantamento.

Entre os dados mais polêmicos revelados na amostragem está a informação de que 38% das pessoas se sentem pressionadas a responder chamadas e e-mails relacionados ao trabalho mesmo quando estão de férias. Esse mesmo número reflete o resultado alcançado entre os brasileiros (38%), que ocupam a 13° colocação nessa questão: 68% dos profissionais do Brasil afirmaram que concordam que são capazes de se desligarem do trabalho nas férias.

Por outro lado, 64% dos entrevistados assumem que tratam, por vezes, de assuntos particulares no trabalho. Neste ponto, os brasileiros estão dentro da média dos países, com 70%, o mesmo resultado dos norte-americanos e dos turcos.

 

Fonte: www.revistamelhor.com.br/

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114