Associação Profissional dos Contabilistas de Lins

Dilma defende sistema tributário simplificado e alterações no Simples

maisCotações e Índices

Moedas - 25/06/2019 13:25:37
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,833
  • 3,833
  • Paralelo
  • 3,810
  • 4,000
  • Turismo
  • 3,680
  • 3,990
  • Euro
  • 4,363
  • 4,365
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,940
  • 3,940
  • Libra
  • 4,871
  • 4,875
  • Ouro
  • 172,610
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

maisObrigações Tributárias do Dia

  • 28/Junho/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut || Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • IRPF - Imposto de Renda sobre a Pessoa Física
O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Redação, Agência Sebrae, 23 de dezembro de 2015

A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta segunda-feira (21/12), durante a cerimônia de posse dos novos ministros da Fazenda, Nelson Barbosa, e do Planejamento, Valdir Simão, um modelo de tributação simplificado e aprimorado. “Precisamos de um sistema de transição entre o Simples e os demais regimes tributários para que as empresas não tenham medo de crescer”, afirmou.

Para o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a posição de Dilma é muito importante para que o projeto Crescer Sem Medo ganhe mais força e seja aprovado no Congresso Nacional nos primeiros meses de 2016. “A presidenta sabe da importância que o PLC 125/2015 tem para os pequenos empresários do nosso País. É um projeto construído dentro do que ela também acredita ser o mais justo para o segmento que acumula 95% de todos os negócios brasileiros. Seu apoio é fundamental para que possamos avançar e criar um ambiente de negócios seguro e atrativo para que as empresas possam se preocupar com o que realmente importa: seu crescimento e seu sucesso na sua atividade. Os pequenos tem tudo para ajudar a alavancar a economia brasileira nesse momento”.

A proposta que está tramitando no Senado foi toda construída a partir de um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (encomendado pela Sebrae Nacional a pedido da Secretaria da Micro e Pequena Empresa), assinado na ocasião pelo atual ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, que ainda não integrava a equipe econômica. “O novo ministro coordenou o estudo e entende bem a necessidade de fazer essa revisão e acredito que nos dará apoio para que o texto seja aprovado logo”, destacou Afif.

O Crescer Sem Medo tem como objetivo criar uma rampa suave de tributação para que as empresas possam pagar impostos mais justos e compatíveis com a realidade da sua empresa. Além disso, ele prevê o aumento do teto do Simples de R$ 3,6 milhões para R$ 7,2 milhões em 2017 e para R$ 14,4 milhões apenas para as indústrias que se enquadram nessa faixa de faturamento. O projeto também cria a Empresa Simples de Crédito, que tem como objetivo permitir que empresas específicas possam emprestar dinheiro aos pequenos negócios de sua região, de forma mais simples e mais barata do que as oferecidas hoje pelo sistema bancário.

Também estão sendo propostas a diminuição de faixas de tributação, de 20 para sete, e a redução do número de tabelas, passando de seis para quatro, sendo uma para o Comércio, uma para a Indústria e duas para o setor de Serviços. 

O Supersimples surgiu com a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, aprovada em 2006, e entrou em vigor em julho de 2007. Desde sua criação, mais de 10,6 milhões de empresas aderiram a esse sistema de tributação e pagaram, até outubro deste ano, mais de R$ 357 bilhões em contribuições para os cofres públicos. Se aprovada, essa será a sexta mudança realizada na Lei Geral.

A última alteração na legislação foi sancionada no ano passado (Lei 147/14) e permitiu a universalização do Supersimples, dando possibilidade para que 143 novas atividades, como por exemplo, advogados, médicos, fisioterapeutas e corretores pudessem optar por pelo regime. Com as modificações, apenas em janeiro deste ano, 502.692 novas empresas solicitaram a inclusão, o que representou um crescimento de 125% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Fonte: Administradores - 23/12/2015

Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)
Associação Profissional dos Contabilistas de Lins  |  Rua Floriano Peixoto, n° 1.093 - Centro - Lins, SP | CEP 16.400-101
Fone 14. 3513-0114